Evento Abertura 30 de março de 2017 – Hebraica

Fundo Comunitário – Keren Hayesod traz Doron Almog, que sensibilizou o público em cinco eventos

ONG criada por militar israelense aposentado, com o apoio do Keren Hayesod, dedica-se a melhorar a qualidade de vida de crianças e jovens com necessidades especiais

O Fundo Comunitário-Keren Hayesod trouxe ao Brasil Doron Almog, ganhador do Prêmio Israel de 2016, o maior reconhecimento concedido àqueles que se destacam na contribuição à sociedade israelense, como foi dito na entrega da premiação: “Ele defende as crianças com necessidades especiais com a mesma determinação com que defendeu Israel”.

Em Israel, Doron é muito conhecido, mas, embora tenha feito uma carreira militar impressionante, operação de resgate em Entebbe, em 1976, participação na Operação Moisés, nos anos de 1980, chefe do Comando do Sul das Forças de Defesa de Israel de 2000 a 2003, responsável pela segurança de 60% do território israelense, foi na vida civil que ele virou um herói.

Nos cinco eventos realizados, o primeiro deles no dia 30 de março, no teatro Arthur Rubinstein, do clube A Hebraica, Doron contou sua história de vida que foi transformada pelo seu filho, Eran, que nasceu com necessidades especiais. Antes de cada um dos eventos, o Presidente do Fundo Comunitário, Claudio Bobrow, apresentou um filme sobre quatro pessoas, que tiveram suas vidas transformadas pelo trabalho do Keren Hayesod: “Há quase cem anos a instituição trabalha impactando a vida de dezenas de milhares de pessoas em mais de 60 programas, incluindo o apoio à comunidade local.”

Quando Eran completou 18 anos, Doron recebeu uma carta do governo informando que, aos 21 anos, ele não poderia mais frequentar a escola de educação especial. Juntamente com a sua esposa, iniciaram uma busca por uma clínica com tratamento especializado. No entanto, após inúmeras visitas não acharam nenhum local que sentissem confiança para cuidar de Eran. Em 1982, Doron, com pais de crianças com necessidades especiais, criou a organização Aleh. A manutenção do Projeto Aleh Neguev, destinado às crianças com necessidades especiais de todo o sul do País, que leva o nome do seu filho, passou a ser sua motivação de vida.

A emoção está presente em cada uma das palavras do militar aposentado quando começa a contar o que o levou a criar o Centro Aleh Eran, no Neguev: “O grande professor da minha vida foi Eran, que faleceu aos 23 anos. Ele nunca fez contato visual, nunca disse nenhuma palavra, nem mesmo abba (pai em hebraico). Mesmo assim, foi o maior professor da minha vida. Ele me ensinou, antes de tudo, sobre mim mesmo, sobre nossa humanidade, sobre o que é sensibilidade, amor e sobre qual é o nosso comprometimento uns com os outros”, diz Almog.

Para muitos, Almog liderou uma revolução no atendimento aos que necessitam de cuidados especiais, tendo sido o responsável pela mudança radical na percepção da sociedade em relação aos indivíduos portadores de deficiências. Segundo ele, falar de histórias de sucesso, avanços científicos e bons resultados econômicos é muito mais confortável do que abordar diretamente pontos sensíveis de uma sociedade, como a própria existência de cidadãos em situação de maior vulnerabilidade.

Até algumas décadas atrás, mesmo em Israel, este era um assunto tabu, falado entre quatro paredes e sem muito alarde. Esta situação tem mudado justamente devido ao trabalho realizado pela organização Aleh e outras similares no país.

Os pais que criaram o Aleh acreditavam que, apesar de seus filhos sofrerem de um alto grau de deficiência, eles poderiam transcender os limites de seus prognósticos. Com os tratamentos, muitas das crianças aprenderam a ficar em pé, alimentar-se e mover seus membros de uma forma controlada, atingindo conquistas inconcebíveis em seus diagnósticos iniciais. Ao se visitar qualquer uma das unidades do projeto Aleh, não se pode deixar de lembrar do ex-primeiro-ministro David Ben-Gurion que costumava dizer que, em Israel, “quem não acredita em milagres não é realista”.

Saiba mais sobre o Projeto Aleh, clique aqui!

 

Deixe uma resposta